Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Deixem o Indie em Paz

Sobre as metas literárias deste fim-de-semana

Lá consegui chegar à página 352 da Odisseia, de Homero, este fim-de-semana, e hoje, nas pausas para pequeno-almoço e almoço, ainda li mais um canto, portanto, já só faltam dois. Termino hoje, sem falta. Os últimos dois cantos que li foram, até agora, os melhores de todo o livro (vinte e quatro cantos no total), com o Ulisses, o seu filho, Telémaco, o porqueiro, Eumeu, e o boieiro, Filécio, a darem cabo deles todos (pretendentes da Penélope e servas infiéis), com a Atena por ali a cirandar a ver se o Ulisses se safava daquela. Verdadeiramente, épico. Só de pensar que a Odisseia e a Ilídia são a raiz de tantas das narrativas escritas desde então, fico logo feliz por já ter lido pelo menos uma destas obras. Quanto à Ilíada, para o ano há mais.

 

O Há Monstros Debaixo da Cama ficou parado.

 

Próximo livro: Mataram a Cotovia, de Harper Lee.

Road to the Oscars #5: Whiplash (Parte 2)

Já depois de ter escrito o post sobre o Whiplash, deparei-me com este artigo, pelo que agora já não acho que sou a única pessoa no mundo que não gostou do Whiplash por aí além. Tomei a liberdade de copiar um excerto do artigo, em que Richard Brody faz referência àquilo que o filme faz transparecer sobre os músicos, coisa que também me fez alguma confusão ao longo do filme.

 

Andrew isn’t in a band or a combo, doesn’t get together with his fellow-students and jam—not in a park, not in a subway station, not in a café, not even in a basement. He doesn’t study music theory, not alone and not (as Parker did) with his peers. 

(...)

In short, the musician’s life is about pure competitive ambition—the concert band and the exposure it provides—and nothing else. The movie has no music in its soul—and, for that matter, it has no music in its images. There are ways of filming music that are themselves musical, that conjure a musical feeling above and beyond what’s on the soundtrack, but Chazelle’s images are nothing of the kind.

To justify his methods, Fletcher tells Andrew that the worst thing you can tell a young artist is “Good job,” because self-satisfaction and complacency are the enemies of artistic progress. It’s the moment where Chazelle gives the diabolical character his due, and it’s utter, despicable nonsense. There’s nothing wrong with “Good job,” because a real artist won’t be gulled or lulled into self-satisfaction by it: real artists are hard on themselves, curious to learn what they don’t know and to push themselves ahead.

 

Descobri também que a história que Fletcher conta sobre Charlie Parker no filme, e que, no fundo, serve de justificação para os seus métodos agressivos e extremistas, não foi bem assim que aconteceu, mas não copiei tudo para este post para não se tornar demasiado extenso.

Road to the Oscars #5: Whiplash

Whiplash_poster.jpg

 

Whiplash conta-nos a história do jovem Andrew, que estuda num excelente conservatório e tem como objectivo ser um grande baterista, o melhor. Andrew tem como professor Fletcher, uma criatura abominável do princípio ao fim (até quando ele foi bom o odiei), cujo método de ensino consiste em levar os seus alunos ao limite, de modo a que estes se ultrapassem e sejam os melhores (julga ele que só assim se poderão destacar dos demais), caso contrário, nada valerão, e, para isso, Fletcher grita, agride e humilha.

A fricção entre ambos (Fletcher a fazer jogos mentais com Andrew, e este, por sua vez, a não desistir, tentando levar o seu sonho avante) é mais que notória ao longo da acção, e, no fundo, deve-se ao facto de Andrew e Fletcher serem tão parecidos, Andrew também não olha a meios para atingir o seu objectivo (aquela decisão dele, enfim), motivo pelo qual não fiquei particularmente entusiasmada com este filme, ao contrário da maioria das pessoas. Compreendo o fascínio com Whiplash, mas para mim resultou muito mal, só desejava que terminasse aquele sufoco que tanto me dava vontade de esmurrar Fletcher como Andrew e, de repente, acabou. O facto de o filme ser só em torno destes dois também não o tornou apelativo à minha pessoa, confesso, fez falta, e muita, no meu entender, uma presença feminina até ao final.

Com o visionamento deste filme, a minha aposta no Edward Norton para melhor actor secundário cairá, por certo, por terra, J. K. Simmons merece-o.