Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Deixem o Indie em Paz

Discos de 2015 | 2

Tame Impala | Currents

 

Não posso dizer que os Tame Impala sejam das bandas que mais goste, mas este Currents deixou-me interessado em conhecer mais.

 

 

Slayer | Repentless

 

Depois de alguns álbums medianos, o Repentless (o primeiro sem o Jeff Hanneman) trás de volta os Slayer que nós conhecemos. Muita nostalgia, mas thrash do bom. 

 

 

Parkway Drive | Ire

 

Os australianos, apesar de ficarem alguns furos abaixo do álbum anterior (e longe, longe, do brilhante Deep Blue), lançaram mais um álbum jeitoso. Ao vivo deve ficar bem. Esta música em particular é muito apreciada cá em casa. Por mim, claro.

 

 

Palma Violets | Danger In The Club

 

Espera mais, confesso. Tive pena de não os ter visto ao vivo. Fica para uma próxima. Palma Violets faz-me lembrar alguém num carro a dizer que sabia distinguir bem as músicas entre os dois álbuns de pois falhou oito em dez. 

 

 

 

 

 

 

 

Discos de 2015 | 1

Wiil Butler | Policy

 

O Wiil Butler dos Arcade Fire estreia-se a solo. Toda a gente preferia um álbum do Win Butler, mas é o que temos e não está nada mau.

 

 

Viet Cong |  Viet Cong

 

Mais uma estreia nos meandros do indie rock, a ver vamos o que o futuro lhes reserva.

 

 

Tó Trips | Guitarra Makaka

 

Álbum a solo de metade dos Dead Combo, aqui num registo acústico e mais virtuoso. 

 

 

Tara Perdida | Luto

 

Dá para subsituir o Ribas? Claro que não. Mas acho que as bandas podem continuar, e, neste caso em particular, continuaram muito bem. 

 

 

 

 

 

Livros que gostava de ler até ao final de 2015

Entre os meses de Outubro e Dezembro (três por mês, não necessariamente por esta ordem):

 

Os Irmãos Karamázov, Fiódor Dostoievski

Adoecer, Hélia Correia

As Intermitências da Morte, José Saramago

Madame Bovary, Gustave Flaubert

Correios, Charles Bukowski

A Amiga Genial, Elena Ferrante (não tenho)

Perguntem a Sarah Gross, João Pinto Coelho (não tenho)

O Chão dos Pardais, Dulce Maria Cardoso

Os Peixes também Sabem Cantar, Halldór Laxness