Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Deixem o Indie em Paz

Leia mulheres

Em mais de quarenta livros, este ano, li apenas quatro livros escritos por mulheres. Mataram a Cotovia, de Harper Lee, Sejamos Todos Feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie, Vim Porque Me Pagavam, de Golgona Anghel, e Ana de Amsterdam, de Ana Cássia Rebelo. Dos livros que decidi ler até ao final do ano, um terço são escritos por mulheres, Adoecer, de Hélia Correia, A Amiga Genial, de Elena Ferrante (considerando que se trata de uma mulher), e O Chão dos Pardais, de Dulce Maria Cardoso.

Não gosto de me sentir obrigada a nada, mas, depois do manifesto "Leia Mulheres" que vi (e ainda vejo) pelas redes sociais, apercebi-me que a maioria dos autores que leio são homens. É uma constatação, de certo modo, óbvia, já que o número de escritores é muito superior ao de escritoras, pelo que a probabilidade de ler homens é muito maior, se olharmos para toda a oferta de livros que temos à nossa disposição. Até gostava de fazer uma contagem dos livros que tenho lá em casa e ver quantos são escritos por mulheres.

Não se trata de preconceito no acto de compra/leitura de livros, aliás, não dei menos de quatro estrelas aos quatro livros escritos por mulheres que li este ano e prevejo que vá gostar muito destes três que ainda pretendo ler. Nunca senti que estivesse a desprezar as mulheres escritoras, mas, a partir de agora, vou tentar ler mais mulheres. Não vou é adoptar um sistema de quotas mínimas de mulheres por ano, ou um livro por mês, etc. Não quero definir obrigações, apenas gostava de lhes dar uma maior atenção.

 

19 comentários

Comentar post